Enfermeiro é o segundo membro da mesma família a morrer em decorrência de complicações da doença

A área da saúde de Patos de Minas perdeu mais um profissional em razão de complicações da Covid-19. Renato Nunes Caixeta, de 39 anos, morreu nessa quarta-feira (18), e é o segundo caso em menos de um mês. Enfermeiro na rede privada, ele era irmão de Breno Nunes Caixeta, também enfermeiro falecido em outubro em consequência do coronavírus. Com esse novo óbito, o município chega a 84 mortes em decorrência da doença. 

O falecimento de Renato Caixeta é o quinto confirmado somente em novembro, número que representa metade dos óbitos por Covid-19 registrados em todo o mês de outubro. Ele e o irmão estavam na faixa etária de 30 a 39 anos, que agora passa a somar cinco mortes por Covid-19. O vírus, contudo, ainda é mais fatal para o público de 70 a 79 anos, (27), seguido por pessoas na faixa de 60 a 69 anos (19). 

Profissionais da área de saúde ressaltam que as mortes em razão da doença devem sempre servir de alerta para a população. “Inclusive temos visto, com grande frequência, contaminação de membros de uma mesma família. Qualquer pessoa que sai de casa não pode esquecer que, ao voltar, corre o risco de levar o vírus para os seus familiares. As medidas mais simples, como higienizar as mãos com frequência, estão sendo esquecidas. Não podemos perder o foco na prevenção”, destaca a gerente de Serviços Epidemiológicos, Elizaine Bicalho. 

O boletim epidemiológico desta quinta-feira (19) contabiliza 3.035 casos positivos de infecção por coronavírus em Patos de Minas. A ocupação total de leitos têm-se mantido abaixo dos 60% nos últimos dias, percentual considerado de baixo risco pelo Governo estadual. Contudo esse índice não deve ser motivo de relaxamento. “Como já visto, o cenário da pandemia muda de forma muito rápida, para melhor ou para pior. Então não podemos brincar com essa doença”, enfatiza o coordenador do Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid-19, Célio Adriano Lopes.