A história do museu tem início em 1986, quando a prefeitura adquiriu a Casa de Olegário Maciel para sediar um espaço cultural.

Posteriormente, na década de 1990, o imóvel passou a sediar o novo Centro Histórico Cultural.

Em 2001, O então Centro Histórico Cultural foi transformado em Centro de Referência Histórica e Cultural, funcionando no mesmo local.

O Museu da Cidade de Patos de Minas (MuP) foi criado apenas em 2004, resultado da evolução da instituição e da necessidade da organização do acervo cultural do município.

O MuP integra o Sistema Brasileiro de Museus (SBM), inscrito no cadastro nacional de museus do Instituo Brasileiro de Museus (IBRAM), bem como o Sistema Estadual de Museus (SEMMG).

Atualmente tem montada a exposição Patos de Minas: fragmentos de uma história, um trabalho moderno, dinâmico e interativo, pela riqueza do acervo e aparatos tecnológicos que dispõe.

A exposição será aberta ao público para visitação em breve, tão logo haja flexibilização nas medidas de distanciamento social, em razão do Covid-19.

Acervo

História

O acervo do Museu da Cidade de Patos de Minas (MuP) foi instituído a partir de 1992, dentro da estrutura do antigo centro histórico e cultural. Houve novo avanço em 1997, com a constituição da divisão de patrimônio histórico, órgão responsável pela salvaguarda do patrimônio do município. Desde então foram montadas salas museológicas e a comunidade fez inúmeras doações e transferências, enriquecendo o acervo da instituição, que é formado por elementos vinculados à história e à multiplicidade cultural da região do Alto Paranaíba.

 

Composição e Natureza

O acervo documental é composto de documentos de fundo público, como atas, correspondências expedidas e recebidas, tributações da Prefeitura, além de centenas de objetos de naturezas diversas. E também de fundo privado, tais como livros pessoais, publicações, fotografias e arquivos de áudio e vídeo.

Expostos, e também na reserva técnica, encontram-se bens patrimoniais relacionados a artes e ofícios, saberes, fazeres, celebrações, arqueologia, bem como indumentárias, áudio visual, periódicos, coleções documentais dos séculos XIX e XX, documentação cartográfica e fotográfica. Especificamente o acervo fotográfico, possui milhares de fotos originais, reproduções e negativos doados pela comunidade e produzidos por órgãos e servidores municipais atinentes, das áreas de patrimônio cultural, imprensa e comunicação.

Visando organizar, ampliar e qualificar o processo de organização do acervo, foi elaborado entre 2019 e 2020 o Plano Museológico da instituição.

Espada do Major Jerônimo Dias Maciel

A Espada foi concedida em 1890, por José Cesário de Faria Alvim, primeiro Presidente da Província de Minas Gerais.

Espada do Major Jerônimo Dias Maciel

A Espada foi concedida em 1890, por José Cesário de Faria Alvim, primeiro Presidente da Província de Minas Gerais.

Telefone Berliner´s Universal Transmiter (1ª metade séc. XX)

Telefone usado por Dr. Itagyba da Silva sendo que o nobre advogado de Patos de Minas possui dois aparelhos. Um deles estava instalado em sua casa na cidade. O outro na fazenda.

Máquina de somar Dalton (Década de 1920)

Uma das primeiras máquinas de somar da Prefeitura de Patos de Minas adquirida na década de 1920/1930. Trata-se de um equipamento que foi utilizado no setor de contabilidade da Prefeitura. A máquina só efetuava soma e subtração.

Telefone Motorola Microtac II

A Espada foi concedida em 1890, por José Cesário de Faria Alvim, primeiro Presidente da Província de Minas Gerais.

Receptor de Radioamador (1962)

Aparelho receptor de ondas curtas, marca “Delta – Mod. 209”. A empresa Delta, fabricante do equipamento em questão, surgiu em 1954 em São Paulo.