Na comparação com outras microrregiões, a de Patos de Minas apresenta indicadores melhores do que algumas classificadas em fase mais flexível do plano 

Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Campanha com estrutura montada no Centro Clínico do Unipam. A ala conta com 9 leitos

A Prefeitura de Patos de Minas protocolou no Ministério Público de Minas Gerais, nessa terça-feira (8), resposta ao ofício no qual se requereu publicação de decreto ajustando o município à onda vermelha do Minas Consciente para o período de 5 a 11 de setembro. Assinado pelo prefeito, o documento classifica a regressão no programa como não razoável diante do atual cenário da pandemia do novo coronavírus na cidade.

Na resposta, José Eustáquio Rodrigues Alves destaca a estrutura preparada pela prefeitura para prestar assistência a pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19. Um dos exemplos citados é o Hospital de Campanha que, como ressaltado no documento, mantém-se com ocupação baixa em leitos clínicos e de UTI. Na soma com as vagas disponibilizadas no Hospital Regional Antônio Dias, a ocupação dos leitos públicos para Covid-19 no município tem variado em torno de 60% da disponibilidade. 

No ofício entregue ao MP-MG, também são questionados os critérios do Grupo Executivo do Minas Consciente ao avaliar os índices para mudança de fase dos municípios no plano: “E, agora que Patos de Minas possui estrutura adequada para esse atendimento, ao invés de ser premiada é penalizada? Não é lógico esse raciocínio?” No comparativo com outras microrregiões, a de Patos de Minas apresenta indicadores melhores do que algumas classificadas em onda mais flexível. 

Ao citar que o município está fiscalizando o cumprimento das medidas de combate ao coronavírus, incluindo a realização de forças-tarefas, o documento direcionado ao MP-MG destaca que “é preciso conciliar a convivência das atividades produtivas com a proteção à saúde, pois senão a repercussão da Covid-19 será uma cidade devastada economicamente”. Por fim, pede-se a compreensão do promotor Rodrigo Taufick para com a posição adotada pela prefeitura, uma vez que a administração está prestando assistência à saúde a todos que dela precisam em razão da pandemia.

O promotor Rodrigo Taufick foi o autor do ofício enviado ao prefeito no dia 3 de setembro requerendo o ajuste de Patos de Minas à regressão de onda do Minas Consciente.