MONITORAMENTO DE SURTOS/AGLOMERADO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA ASSOCIADA AO COVID-19

Definições

Ambiente restrito ou fechado: Ambiente com área fisica delimitada e circulação dos mesmos indivíduos por longo período de tempo. Exemplo: Instituições de longa permanência de idosos (ILPI), creches, sistema prisional e unidades socio-educativas, instituições e serviços de acolhimento social, dormitórios coletivos, bases militares, uma mesma unidade de produção em empresa ou indústria, serviço de saúde etc.

• Surto de Síndrome Gripal (SG): Presença de casos sintomáticos em que se acumulem (três) ou mais pessoas no mesmo local (fechado ou semifechado).

• Surto/Aglomerado de casos de síndrome respiratória aguda: Presença de umcaso sintomático confirmado laboratorialmente e dois ou mais contatos próximos positivos/reagentes independente da presença de sintomas.

Isolamento em coorte: segregação de pessoas infectadas, em espaço físico determinado, durante o período de transmissibilidade da doença sob condições que permitam evitar a transmissão direta ou indireta do agente infeccioso.

O que fazer no caso de surto

Dez medidas importantes a serem tomadas, sendo que algumas etapas podem ocorrer simultaneamente: 

1. Determinar a existência do surto. 

2. Confirmar o diagnóstico.

3. Definir e contar os casos.

4. Descrever os dados do surto em tempo, lugar e pessoa.

5. Determinar quem está sob risco de adoecer.

6. Levantar hipóteses.

7. Comparar as hipóteses com os fatos estabelecidos.

8. Refinar as hipóteses e realizar estudos complementares.

9. Implementar medidas de controle e prevenção.

10. Comunicar os resultados da investigação por meio de relatórios e outras formas de
comunicação.
FONTE: Ministério da Saúde, 2018

Notificação e registro de casos

Os surtos de Síndrome Respiratória Aguda Grave Associada ao Covid-19 constituem uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII). São de notificação compulsória IMEDIATA e devem ser comunicados (geralmente à Vigilância Epidemiológica) no prazo de 24 horas a partir da suspeita inicial.
Fonte: Ministério da Saúde, 2020.

Contatos próximos

Os contatos próximos devem ser identificados, investigados e monitorados, bem como orientados sobre a coleta de amostra, o isolamento, sinais, sintomas e medidas de controle.
Fonte: Nota Técnica COES MINAS COVID-19 Nº 52/2020 – 22/06/2020.

Critérios para coleta de amostras em situações de surto/aglomerado de casos de síndrome respiratória aguda

• Estratégia baseada em teste molecular (RT-PCR): sintomáticos devem realizar o teste molecular no período de 3 a 7 dias após o início dos sinais e sintomas.

• Estratégia baseada em teste rápido:

o Sintomáticos: realizar o teste rápido no período de 8 a 14 dias após o início dos sinais e sintomas, caso não tenham testado positivo para o exame de biologia molecular ou que o
mesmo não tenha sido realizado. 

o Assintomáticos: Não testar!

Exceção será somente após o contato e discussão com o CIEVS (plantão e\ou equipe URR) que conforme cenário com avaliação individualizada e risco identificado poderá, em consenso com a área técnica local, recomendar tecnicamente para alguns casos (mesmo nestarecomendação rara, um teste rápido somente será recomendado após 8 dias do contato com o caso confirmado, isto é, contato próximo com resultado positivo/reagente).

 

PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO

Brasil

Minas Gerais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS CONFIRMADOS DE COVID-19 NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Patos de Minas

Patos de Minas, até o dia 19.06.2020 (14:42’) contava com 180 casos positivos de
coronavírus, e no dia 03.07.2020 – 14:15’, o total de casos era de 541, um acréscimo de 300% em quinze dias. Haviam 67 pacientes internados, 283 em recuperação domiciliar, 185 casos tratados e 06 óbitos confirmados.

Obs.: Dos 67 casos internados, 20 estavam em leito de UTI e 47 permaneciam estáveis em leitos clínicos/enfermarias. 

 

Obs.: Dados até 03.07.2020, sujeitos a alterações.

Obs.: Média de idade dos casos confirmados – 41 anos.

A ocupação de leitos de UTI adultos em todos os hospitais da rede pública e privada está
em 129,41%, sendo que o único hospital que está atendendo covid-19 na rede pública (HRAD) está com 100% dos seus leitos de UTI ocupados (vide tabela abaixo e gráfico na próxima folha). A capacidade de oferta da rede pública está no limite máximo, o que gera preocupação, pois tais leitos são compartilhados com o município de Patos de Minas e municípios vizinhos. Nossa curva de casos positivos é ascendente e vem aumentando exponencialmente, o que gera pressão na assistência para que o suporte ao paciente seja adequado ao tratamento da infecção por COVID19.

 

Obs.: Dados de 03.07.2020

Elaborado por: Erivaldo Rodrigues Soares – Matr. 6143 – Enc. de Informações e Estatísticas
Patos de Minas, 03 de julho de 2020.
Dados sujeitos a alterações.