Tira-dúvidas sobre a vacina da dengue

O Brasil inicia, neste mês de fevereiro, a aplicação do imunizante Qdenga em cidades e faixa-etária selecionadas pelo Ministério da Saúde. Leia abaixo mais informações a respeito e, em caso de outras dúvidas, consulte um médico. E lembre-se de que a melhor prevenção contra a doença é acabar com a água parada. 

A vacina contra a dengue está disponível pelo SUS em Patos de Minas?

Inicialmente não. O Ministério da Saúde direcionou doses da Qdenga a 521 municípios de 37 regiões de saúde do Brasil. Segundo a pasta, tais localidades são consideradas endêmicas para a doença, apresentando alto índice de transmissão nos últimos dez anos e altas taxas de contaminação nos últimos meses. Na macrorregião de Patos de Minas não há cidades selecionadas. 

Quem pode tomar a vacina na rede pública?

Apesar de a bula da Qdenga indicar o imunizante para pessoas com idade entre 4 e 60 anos, o ministério anunciou que o público-alvo do SUS neste primeiro momento será apenas crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, grupo que concentra maior número de hospitalizações por dengue, atrás apenas dos idosos. A decisão foi tomada em razão da quantidade limitada de doses a serem fornecidas pelo laboratório fabricante.

Não estando entre o público prioritário, como faço para tomar a vacina?

Quem está fora da faixa etária classificada como prioritária pelo Ministério da Saúde pode procurar a vacina na rede particular. 

Gestantes e lactantes podem tomar a vacina?

A Qdenga é contraindicada para gestantes e lactantes e, portanto, não pode ser administrada nem na rede pública nem na privada. A dose também não é indicada para pessoas com imunodeficiências primárias ou adquiridas e indivíduos que tiveram reação de hipersensibilidade à dose anterior. Mulheres em idade fértil e que pretendem engravidar devem usar métodos contraceptivos por um período de 30 dias após a vacinação. 

Quantas doses e com que intervalo deve ser aplicada a vacina?

O esquema completo da Qdenga é composto por duas doses, a serem administradas por via subcutânea com intervalo de três meses entre elas. Quem já teve dengue também deve tomar a dose. A recomendação, nesses casos, é especialmente indicada por conta da melhor resposta imune à vacina e também por ser uma população classificada como de maior risco para dengue grave. Para quem apresentou a infecção recentemente, a orientação é aguardar seis meses para receber o imunizante. Já quem for diagnosticado com a doença no intervalo entre as duas doses deve manter o esquema vacinal, desde que o prazo não seja inferior a 30 dias em relação ao início dos sintomas.

Com informações da Agência Brasil de Comunicação